Mãos Sem Fronteiras Logo

Mãos Sem Fronteiras

5 minutos ao dia mudarão sua vida!

Sabedoria ou narcisismo

La Jardinera - 21 de outubro de 2017

No Japão, um país muito especial para a Servidora, vivia um Samurai muito velhinho, muito antigo, tinha quase 100 anos, mas era o Mestre. Os jovens iam até ele para aprender, os adultos já tinham o título de mestres que o velho Samurai lhes havia dado.

Começaram a surgir muitos comentários ali no povoado. Diziam que estava para vir um mestre Samurai jovem, mas que se tratava de um amaldiçoado, um irônico e que sua briga era sempre motivada por uma vingança, sua luta era para destruir e destronar todos os mestres samurais para que ele fosse o único samurai.

Quando souberam disso, os discípulos e todo o povoado disseram: “Não vamos contar nada porque ele está vindo só para desafiar nosso amado Mestre Samurai”. Sua técnica era humilhar, insultar e, dessa forma, tirar todos de seus quadrados. Não conseguiam resistir a ele. Era mal falado, humilhava, mas não conseguiram evitar. E ele chegou.

Ao Mestre não tinham contado de quem se tratava, mas ele foi até onde o mestre estava e disse a ele: “Eu o desafio e vou vencer.” Então todos os discípulos se colocaram ao redor do velho Mestre Samurai para protegê-lo. Mas ele, com sua Honra, Lealdade e Fé, colocou-se em atitude de ACEITAÇÃO do ataque. Então o irônico e violento mestre começou a atacá-lo verbalmente.

Insultou-o, disse de tudo, sem tocá-lo. Amaldiçoou seus mortos, que é a coisa mais forte e mais humilhante que se pode dizer na religião taoísta: insultar os antepassados, os pais, os mortos. O velho Mestre continuou a lutar, mas o jovem continuou a insultá-lo, rindo novamente dele, dizendo que ele era um velho, que não servia para nada, que o derrotaria, que ele era pior que um verme. Cansou de insultá-lo, de ofendê-lo, de humilhá-lo e, quando não aguentava mais, o ancião lhe disse: “Estou esperando! Quando vai começar essa luta?”

O mestre perverso deu meia volta e foi embora. Então os discípulos aclamaram o ancião, aplaudindo-o e carregando-o nos ombros. “Mestre” – disse um deles – “Como você fez isso? Ele o insultou, ele o humilhou e você não se manifestou!” E ele respondeu:

“Quando lhe dão um presente, se é algo de que você gosta, você aceita, abre e fica agradecido. Mas quando é algo de que você não gosta, não aceite, não pegue e não abra. Não humilha quem quer, mas quem consegue.”

Todos fizeram uma reverência e foram ao salão do povoado, serviram chá, saquê e uma comida excelente. E assim celebraram a vitória.

Minhas sementes, minhas estrelas, por mais que os insultem, que os queiram ferir ou magoar, não abram e nem aceitem esse tipo de presente. Recusem, pois assim não serão tocados e nem ficarão sabendo de onde vem. É uma alegria enorme saber que, basta acreditar e o Universo lhe dá as forças, e essas forças o fazem feliz. Lembrem-se sempre de que vocês são seres de Luz. Ninguém consegue tocá-los, ninguém consegue magoá-los. Vocês são maiores que tudo!

Há ainda uma pequena observação dirigida a alguns mestres que dão cursos apenas para serem elogiados ou para se considerarem superiores diante de um aluno; e, em vez de se colocarem à altura do aluno, acham que são os maiores, especialmente quando são Narcisos.

Já encontrei alguns mestres narcisistas, e esse narcisismo é o que os faz cair porque eles se colocam sempre acima do nível dos alunos, principalmente dos menores, daqueles que voam baixo, sem pensar que eles também não sabiam voar antes de andar.

Tenham cuidado sempre. Prudência! Os aplausos, vocês precisam receber apenas no coração, mas eles têm que vir do Universo e dos Iniciados. Os aplausos dos homens só servem ao ego. Aviso aos narcisistas, egoístas e prepotentes...

Com todo o meu amor!